Foi em março desse ano quando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes atendeu ao pedido da Polícia Federal para suspender o Telegram no Brasil. A decisão determinava uma série de mudanças, entre elas a suspensão de dois canais bolsonaristas.

Organização criminosa: Bolsonaro e equipe alvos de inquérito

Aplicativos de mensagens têm sido usados em exaustão, especialmente depois de terem se tornado os principais redutos da extrema direita no mundo desde 2016 e, no Brasil, acabou se tornando bastante popular entre os bolsonaristas.

Depois desses embates da Justiça contras as comunidades virtuais, porém, grupos de direita e de apoio ao presidente têm tentado maquiar e moderar falas violentas de seus participantes contra a esquerda.

A exemplo dos casos de agressão na caravana do ex-presidente Lula (PT), em Campinas (SP), no início de maio, que foram comemorados e endossados nesses mesmos grupos, embora ameaças e promessas de agressão sejam desestimuladas.

Fugindo das moderações

Segundo a reportagem do UOL, foi observado um tom menos violento das críticas feitas à esquerda e ao PT, principalmente a Lula, até nas comunidades bolsonaristas mais famosas. Se antes eram observadas discussões entre membros estimulando atitudes violentas e até armadas, agora isso tem diminuído.

VEJA TAMBÉM:

Governo Bolsonaro quer diminuir FGTS dos trabalhadores

Empresário confirma que pagou reforma para Jair Renan

Privatização da Petrobras racha base aliada de Bolsonaro

Outra forma de burlar, que também foi observado nesses grupos, foram os usos de codinomes ou trocas de letras para evitar as buscas e tentar burlar a moderação, ao que eles [bolsonaristas] chamam de “censura”. Agora, “vacina” se torna “picada” e “vacinado”, “inoculado”. “STF” é escrito com cifrão (“$TF”) e “atirando” ou “atirar” vira números (“atir4ndo” ou “atir4r”). Outra forma também é deixar as palavras de cabeça para baixo.

Tom menos violento contra a esquerda por esses grupos foi observado recentemente Foto: AzamKamolov/Pixabay

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS