Em 1896 a cidade de Belém recebia seu primeiro cinematógrafo. O aparelho recém-criado pelos irmãos Lumière desembarca na capital paraense no auge do ciclo da borracha e marca o início da relação do paraense com a sétima arte. Das primeiras exibições até aqui, a história do cinema na Amazônia é marcada por expectadores atentos à produção nacional e internacional, mas também por uma produção relevante para o cenário brasileiro. 

Um dos desafios para o setor na região tem sido garantir localmente a profissionalização das diferentes funções necessárias para elaboração das películas, ainda centrado em cursos, oficinas e workshops realizados no eixo sul-sudeste. Como estratégia para formação em solo paraense, a Marahu, produtora de conteúdo audiovisual, realiza desde 2019 atividadades de formação, em 2020 iniciou o projeto Marahu Lab - Laboratório de Fomento à Produção Audiovisual da Região Norte, que chega em sua 5ª e última etapa.

As atividades serão realizadas presencialmente na Casa Amazônia Brasil do dia 27 de junho ao dia 7 de agosto e estão divididas em quatro módulos. Os candidatos interessados podem inscrever-se em todas as modalidades ou em módulos individuais. Desta vez, cursos são voltados à compreensão do mercado audiovisual, com foco na legislação e distribuição das produções cinematográficas.

“O Marahu Lab é um projeto de formação composto por atividades de imersão no mercado audiovisual voltados à capacitação do setor, desenvolvimento e formatação de projetos de cinema e televisão para profissionais da região Norte do Brasil”, explica Fernando Segtowick, diretor geral do projeto. Realizado com fomento Edital da Secretaria de Audiovisual através do CTAV – Centro de Apoio Audiovisual, as atividades iniciaram em março de 2020 e já formou mais de 50 pessoas por meio de cursos de roteiro de ficção, roteiro de documentário, montagem e finalização.

Os cursos serão ministrados por profissionais reconhecidos no mercado, como Mylena Mandolesi, diretora de produção em projetos audiovisuais, eventos, fotografia e internet, que já elaborou projetos de para publicidade gigantes como Procter &Gamble, Microsoft, Coca-Cola, Magazine Luiza, Dove e Vodka Absolut, e Carla Francine, produtora, roteirista, diretora e pesquisadora, que já assinou mais de 100 obras de ficção e documentais, como as séries "Expresso Brasil", "Mestres de Ofícios", "Indústria Cultural no Brasil", "Nordeste Feito à Mão", "Os Brasileiros" e "Sigths & Sounds".

Formação

Durante os módulos, os participantes poderão conhecer os detalhes do trabalho do planejamento de produção para projetos audiovisuais em programas e séries para TV e streaming além de longas de ficção e documentários para salas de cinema. O curso também apresenta projetos de outros setores, como filmes e campanhas publicitárias realizadas com verba direta de marketing. 

“Além disto, serão também abordados temas como: perfil do profissional, diferenças entre projetos incentivados e publicidade, como ler um roteiro e análise técnica, a importância da montagem de equipe, desenvolvimento de orçamento e cronograma, média de valores praticados no mercado, prestação de contas, estrutura de um set, sustentabilidade das produções, tudo que permeia o os processos de um planejamento de produção realizado pelo produtor executivo”, destaca Thiago Pelaes, coordenador pedagógico do projeto.

No que diz respeito à legislação, os cursos abordarão o panorama histórico os marcos legais do setor, os aspectos técnicos da Agência Nacional de Cinema (ANCINE), execução e aspectos legais e gestão da produção audiovisual. gestão do produto audiovisual e mercado. Nessa etapa, os organizadores garantem a realização de consultorias e atendimentos aos alunos e seus projetos

Os facilitadores do curso também vão apresentação a cadeia de comercialização de filmes independentes. “Na oportunidade, será possível compreender o papel do agente de vendas, do distribuidor, do exibidor e conhecer a explicação dos dois maiores festivais do mundo com mercados audiovisuais: Festival de Berlim e Festival de Cannes. Também serão compartilhadas as estratégias para divulgação e lançamento de filmes, com apresentação de cases de sucesso”, conta Fernando. A programação prevê, ainda, a espaço para compartilhamento sobre os aspectos comerciais do setor, incluindo como vender seu projeto e como formatar um plano de negócios ideal. 

Serviço

Laboratório de Fomento à Produção Audiovisual da Região Norte 

Modalidade: Presencial. Aulas expositivas e atividades práticas.

Carga-horária: 42 horas totais (4 unidades), de segunda à sábado. 

Pré-requisitos: Empresários donos de produtoras, produtores executivos, executivos de distribuição, executivos de canal, estudantes e pessoas interessadas no funcionamento do mercado audiovisual.

Inscrições e informações: https://www.marahu.com/mercadoaudiovisual

Local: Casa Amazônia Brasil. Tv. Campos Sales, 752 – Campina. Belém. Pará.

Foto: Divulgação

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS