Faltando uma semana para o encerramento, o Festival Estrela Azul tem agradado tanto os restaurantes participantes quanto os clientes, que têm a oportunidade de fazer um tour gastronômico pelos 33 restaurantes participantes desta edição, em Belém e região metropolitana. Os cardápios são variados e foram criados especialmente para o festival. Por apenas R$ 69,90, o cliente experimenta entrada, prato principal e sobremesa.

Festival Estrela Azul é opção para aproveitar o domingo

Seja no delivery ou presencialmente, a procura dos clientes tem sido intensa desde o início do festival no mês passado. Ontem não foi diferente. Participando pela terceira vez consecutiva da iniciativa do DIÁRIO DO PARÁ, o restaurante Santa Orgânica, situado na Avenida Gentil Bittencourt, bairro de Nazaré, elaborou um cardápio especialíssimo para o festival, cheio de sensações, emoções, memórias e um toque de mistério, devido aos ingredientes surpresas, os quais o proprietário João Roberto Barros, 52, não revela e afirma que são responsáveis por dar um toque singular aos pratos.

A experiência do cliente no Santa Orgânica inicia com um Consommé de camarão, jambu e tucupi acompanhado de croutons, de entrada, que se trata de um caldo robusto, com toque regional, acompanhado da crocância de uma espécie de torrada feita com uma massa livre de glúten. Já o prato principal é uma experiência diferente. João Barros explicou que o pirarucu fresco traz uma agradável surpresa e é totalmente diferente do sabor do pirarucu dessalgado. E para finalizar o menu com chave de ouro, o Santa Orgânica ousou e inovou trazendo de sobremesa uma pupunha com caramelo, que lembra um costume típico do paraense: comer pupunha acompanhada de um café. O doce do caramelo lembra a mistura dos sabores da pupunha com o açúcar do café. O menu foi criado de forma conjunta pela equipe do restaurante.

ACEITAÇÃO

Com um cardápio de alimentos sem glúten e lactose, o Santa Orgânica foi criado com a proposta de atender clientes celíacos, mas os sabores caíram no gosto do público em geral. E quem frequenta o espaço pode ainda apreciar uma boa taça de vinho. “Esse é o terceiro ano que a gente participa do Festival Estrela Azul. E, a cada participação, a gente viu que dá uma visibilidade muito grande. É um verdadeiro festival, realmente. Não se trata de um concurso. É um festival, que vira um circuito na época. E, como é um preço justo, a gente se ajusta e esse é um dos grandes méritos do festival, todos terem o mesmo valor, né? O melhor custo-benefício que o restaurante vai ter, com certeza, é o menu Estrela Azul”, elogiou João Barros.

A bancária Emília Damasceno, 35 anos, participou pela primeira vez do festival e elogiou o menu criado pelo Santa Orgânica. “Eu acho interessante primeiro por promover e conhecer a culinária dos restaurantes, a culinária paraense e incentivar as pessoas a conhecerem mais o universo da gastronomia. A parceria com os abrigos (de animais) é bem legal. É um compromisso que o festival tem, que vai além da culinária por promover ação social”, destacou.

Wagner Ximenes esteve em Belém e decidiu conferir os cardápios do festival
Wagner Ximenes esteve em Belém e decidiu conferir os cardápios do festival | Antônio Melo - Diário do Pará

Morando em Belo Horizonte há quatro anos, sempre que o médico Wagner Ximenes, 28, vem à capital e coincide com o período do festival, ele faz questão de participar. “Acho fantástico porque você consegue ter acesso à gastronomia e é um preço bastante acessível. Achei maravilhoso, espetacular”, afirmou.

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS